Dúvidas

 

Neste item, estaremos respondendo as perguntas mais freqüentes que nos são enviadas e prestando esclarecimentos às dúvidas que possam surgir sobre a raça e sua formação.

-Site BC

-Como adquirir um filhote do Canil Cãodomínio?

-Necessidade da Prova de trabalho

 

-Como posso saber se o cão que estou comprando por fotos é realmente bom, e o criador é honesto?

-Altura e Peso

-Falta de prognatismo

-Buldogue Serrano

-Os RI que estão aparecendo agora ,depois de tanto tempo, são buldogues puros ?

-Informação sobre cães de outras regiões

-Contato com cães da Região Norte do RS

-Orkut

-Aviso dado por juízes e criadores renomados

-Manejo

 

Site BC

O Site do Buldogue Campeiro é um dos maiores e mais completos sites de uma raça canina,  desenvolvido por um criador. Conta a história do resgate da raça com fotos autênticas e material próprio , do canil, fala muito pouco.

Alguns itens ainda se encontram incompletos (mas não vazios), por não termos tempo para dedicarmos exclusivamente ao site.

Todos sabemos o quanto é demorado escrever um livro, e o site do BC nada mais é que um Livro On Line, bem grosso, sendo complementado com o material que mantivemos arquivado, manualmente, durante todos os anos do trabalho do resgate.

Sempre que possível estamos adicionando o material no site, esperamos a compreensão de todos, principalmente daqueles que tem enviado fotos do desenvolvimento dos seus filhotes, pois a montagem de páginas é um processo bastante demorado.

 

Como adquirir um filhote do Canil Cãodomínio?

      

O Canil Cãodomínio não vende filhotes em feiras e nem através de anúncios, apenas diretamente com os proprietários no canil, por de contatos telefônicos pelos números (51) 97872038 e (51) 97261828 e por contatos através de e-mail do site ou [email protected]


-Necessidade da Prova de trabalho

A prova de Trabalho foi implantada pela CBKC mas não é obrigatória. (ver prova no site) É uma prova simples de adestramento básico, visando testar o temperamento do cão.

*As cobranças que nos são feitas Sobre a prova e as respostas que podemos dar:

Boa tarde, por favor, como são testados os temperamentos dos cães nas exposições? Quem são atualmente os BC de melhor prova de ataque?

Infelizmente não são feitos testes nas exposições e não foi
realizada nenhuma prova de Buldogue campeiro até agora. A CBKC diz
que não tem estrutura para realizar a prova e não deixou a prova
como obrigatória.
Então fica apenas pela consciênciade cada criador. Portanto
aconselho a apreciares com atenção a filiação dos cães.
Nós testamos os filhotes e os cães adultos, podes ler sobre isto no
site.

Se o CBKC diz isto, e aqueles que admiram os cães de guarda justamente pelo seu espirito de proteção (e é para isto que o BC deve existir), "concordam",entendo que é melhor pensarmos em alarme eletrônico para proteger nossas casas, cercas elétricas etc... Assim , todas as raças de trabalho e guarda estarão fadadas a sumir como cães funcionais, viverão apenas de lembranças e de cães de "cara feia" que lamberão os pés dos assaltantes e de quebra ainda sairão para tomar uma cerveja.Isto não pode mudar? Os criadores de BC não poderiam realizar estas provas de guarda independentemente? Peço que o "Pai do Budogue Campeiro" pense nisto...

Tens toda a razão, concodamos plenamente. Tanto que nossos cães e filhotes são testados e indicados para o tipo certo de proprietários, como  exemplo, os ômega são para cia de crianças. Inclusive  estimulamos aos criadores e futuros proprietários a fazer certos testes para a seleção dos cães que podem ser vistos no site.
Mas o problema aqui é que estamos lidando com homens e não com Cães. São os homens os ladrões dos quais queremos que os cães nos protejam.
Num momento único  em que a CBKC oportunizou a  implantação da prova, pedido que nos foi feito com a máxima urgência, apresentamos um teste de temperamento que já havia sido elaborado em 2006, junto com uma avaliação de tipicidade, apenas com alguns ajustes. 
Neste momento fomos apedrejados com palavras, bem  mais pesadas que as pedras poderiam ser, por que alguns criadores não concordavam que a prova fosse obrigatória para títulos de campeões, ou seja, alguns criadores conseguiram acabar com a prova, pois não sendo obrigatória, a CBKC não precisa se empenhar em realizar-la.
Como podes ver, de nossa parte estamos nos empenhando ao máximo na tentativa de esclarecer  a grande necessidade que é a apreciação do temperamento para uma raça.
Agora neste final de semana teremos m Match e espero que ali consigamos plantar mais uma sementinha, visto que dentre estes criadores existem alguns que se preocupam mais com o desenvolvimento da raça do que com o comércio dos filhotes.
És proprietário de um cão? Então una-se a nós neste intento!
Forte abraço

 

Como posso saber se o cão que estou comprando por fotos é realmente bom, e o criador é honesto?

Procure saber por intermédio de outros proprietários a idoneidade do criador. Veja se ele não vendeu cães de padrão inferior como se fossem cães de ponta ou tops de linha. Infelizmente no mundo cinófilo, é comum vendedores de cães manipularem fotos e informações.

Um bom criador sabe que nenhum cão é perfeito e  cita as possíveis e prováveis faltas que seu filhote apresentará depois de adulto, para que voce compre seu cão consciente das características que ele apresenta.

O criador mau caráter geralmente  fala mal dos outros criadores, procura de maneira audaciosa e discreta, com astúcia, dizer que seus cães são melhores que dos outros. Aproveitam-se da expectativa, da boa fé e da falta de conhecimento das pessoas que não são do ramo ou desconhecem o padrão da raça que só vão se dar conta que compraram um cão fora do padrão quando ele estiver bem grandinho. Pensam apenas em vender, fazem cruzamentos suspeitos prejudicias a raça e a saúde do cão.

Verifique a procedência dos cães, ligue para o canil onde foram adquiridos os pais, tenha certeza da filiação, avós .....Tenha certeza do grau de parentesco dos pais, para não ter surpresa com doenças genéticas causadas por consangüinidade.

Verifique inclusive se a carteira de vacinação é verdadeira com o criador ou com o veterinário responsável.

O micrichip de identificação é uma inovação muito útil e necessária nos dias atuais.

Infelizmente assim como outras raças o BC não esta livre deste tipo de comércio. O que podemos fazer para ajudar é aconselhar, indicar e rastrear os pais e filhotes, para que eles sejam realmente Buldogues Campeiros como esta detalhado no site e com o temperameto descrito.

Um cão resultante de um cruzamento de duas raças, pode ter o temperamento totalmente alterado, e a confiabilidade no cão fica bem menor.

Estamos a disposição para ajudá-lo a identificar a procedência dos cães, seus acasalamentos e outras informações inerentes a raça.
No site do BC existem alguns endereços de criadores que adquiriram ótimos exemplares em nosso Canil, e que vem dessevolvendo seu trabalho de criação há vários anos, mas já existem outros em todo o Brasil podemos indicar o mais próximo a voce

Veja também no site em Dicas.

Estamos a sua disposição para ajudar na escolha do seu filhote .

 Altura e Peso         

              

           Antes de pensar em reconhecimento da raça, que para mim na época parecia frescura, apesar de meu pai ter criado Dobermanns e eu ser apaixonado criador de Pastor Alemão, comecei a criar os BC por gostar daqueles cães espetaculares, com prazer, com fissura, depois de ter passado a minha infância presenciando varias vezes eles trabalhando nos matadouros.

            Os exemplares que eu criava ou conseguia encontrar embrenhados nos cantões dos nossos Pagos, eram imediatamente postos à prova no campo e na mangueira do matadouro Lima,sob observação atenta do falecido Enio que vibrava junto comigo quando um destes cachorros ficava pegador de primeira.

            Durante anos levei meus BCs para serem atiçados em bois nos campos de arrendamento do seu Miltom Freiberger, claro que disfarçadamente para não me complicar com o dono das terras, nem com o dono dos bois. Assim, fazendo o que eu gostava e conversando com gente entendida no assunto eu fui aprendendo a separar as coisas e saber qual a altura e peso ideal para um bom buldogue de lida.

             Os cães muito baixos têm uma alta porcentagem de investidas mal sucedidas sobre o boi, quando consegue isto dentro de uma mangueira ou piquete , porque a campo aberto , correndo atrás de um boi arisco ele vai é enxotar o boi, dando mais trabalho para o tropeiro ainda na maioria dos casos eram arremessados a distância ou pisoteados, pois quando o cachorro pega, o boi vai para frente tentando chifra-lo, os baixinhos de mais perdem a base muito facilmente se embolando embaixo do boi, quando aprende a trabalhar já ta detonado.           

             Imaginem um cão de 46 cm (23 cm de pernas) tendo que andar m uma fazenda percorrendo (atirando por baixo) 5 km, chegando lá ter que trabalhar, segurar boi, apartar...e depois voltar apésito? Ou seja além da dificuldade de trabalho terá que ir e voltar a pé. Na primeira sanga que ele encontrar ali vai ficar.

             Parecido acontecia com os cães muito altos de pernas muito compridas, perdem a agilidade de deslocar-se para trás e para os lados com precisão sendo machucados com facilidade.

Isto já não acontecia com aqueles que eram de uma estatura um pouco maior de 50 cm e uma estrutura forte, aprendiam na lida com a maior facilidade, tinham pernas pra buscar o boi e não cansavam antes de começar a trabalhar.

              Os famosos cães dos matadouros aqui da região, como o Maitá, o Macaco, o Alemão, o Carrasco ,o Brutus, entre outros, tinham em média 40kg e 55cm na cernelha. Depois de velhos quando não trabalhavam mais chegavam  50kg.

               Quando se fala que o BC deve ser baixo, eu digo ele é baixo se comparar com Pastor, Rotweiler, Dobermann, Fila, Boxer, etc...Mas não pode ser Anão, senão não ajuda o peão, deve então ficar na casa do patrão.

                Se fossemos fazer uma apresentação de bullbating, com o boi preso a uma corda , sem que o cão precisasse correr, realmente os cães deveriam ser de uma estatura menor para que o espetáculo tivesse graça, eles demorariam para derrubar o boi, seriam atirados, pisoteados por largo tempo e por fim sairiam vencedores para o delírio da platéia.

                Mas como o BC tem sua origem no trabalho, deve ser rápido. Nas lides campeiras o tempo é escasso e quanto menos estressar o gado e o peão, melhor.

                Hoje tenho em meu plantel alguns cães que são ou muito baixos ou muito leves mas nem por isso eu os descarto uma vez que eles podem contribuir com algumas características como aprumos, linha de dorso, temperamento...Claro que sempre acasalados com cães de maior  estatura para compensar os defeitos.

                Baseado em fatos, consta no Padrão as medidas pelas quais foi  desenvolvida toda a seleção, e por tal não serão mudadas, para a tranqüilidade  dos bons criadores e para por fim a discussão do que é comprovadamente óbvio.

                                                                  

BULLBATING

BULDOGUE CAMPEIRO NO CAMPO

Falta de prognatismo

   Você já deve ter escutado falar por aí que o Buldogue é uma ANOMALIA; pois a falta de prognatismo é uma regeneração da anomalia que é o Buldogue; Isto serve  também para o focinho comprido e falta de peito.Este processo (Atavismo) pode ser acelerado por cruzamentos mal programados.
    Partindo do objetivo e da funcionalidade do cão foi feita a seleção natural, aqui cabe melhor dizermos no trabalho. O cão com excesso de prognatismo não conseguiria morder direito , abocanhar o boi, então era naturalmente excluído, não era usado no trabalho nem na procriação pois não era procurado para coberturas. O mesmo acontecia com a falta de prognatismo pois o cão machucava muito o boi, rasgava ao invés de conter. Como  exemplo cães com até 2cm de prognatismo tem uma pegada rápida e eficiente, a partir daí começam outros problemas como de alimentação, estética, desgaste precoce da dentição, etc. . Foi assim que o BC se conservou nos pampas, pelas suas qualidades, e foi sumindo aos poucos quando pararam de usá-los nos matadouros.

Buldogue Serrano

    Este termo foi o próprio  Ralf quem criou anos atrás durante várias conversas para conseguir explicar as diferenças que haviam entre os cães que nós encontrávamos há quase 30 anos atrás na nossa região( encosta da serra) e na serra, dos cães que encontrávamos mais para o lado da fronteira e missões.Eles erm chamados apenas de “bordoga” e dialetos

    Para aqueles que ainda não leram os textos do Ralf , de como eram encontrados os cães em nossas andanças, sua aparência e os acasalamentos feitos pelos peões , donos de fazendas e frigoríficos, faço algumas colocações.

    Por ser uma região que tinha um grande numero de frigoríficos (matadouros) e os cães eram usados para segurar o boi até na hora do abate e cada abatedouro tinha vários cães na lida, os cães remanescentes aqui na encosta inferior do nordeste (encosta da serra) conservaram melhor estas características, que sempre foram a nossa meta do resgate da raça. .

    Devo colocar que os buldogues trazidos pelos imigrantes para o Rio Grande do Sul, eram os antigos buldogues, que já estavam bastante difundidos na europa (como se vê por uma lei de 1870, proibindo a circulação de cães desta raça nas ruas do vaticano), Foram usados no trabalho de campo pelos peões gaúchos e dono de matadouros, e selecionados conforme seu temperamento e capacidade, principalmente pelo temperamento, e algumas vezes até cruzados com cães pastores para amenizar seu ímpeto, pois tinham a fama de não ter um bom ouvido, ou seja, durante um tempo eles foram "selecionados na lida", diz o Ralf.

    O que fizemos durante esses 30 anos foi uma seleção através de cruzamentos dos cães remanescentes, levando em conta a harmonia e a serventia das características desta raça, como por exemplo, a altura do cão, nem tão baixo que perdesse velocidade e resistência, e nem tão alto que perdesse sua agilidade e ficasse suscetível aos coices e chifradas dos bois. Também o tamanho do focinho, nem tão curto nem tão longo, para que mantenha a pegada e tenha força na mandíbula e pudesse respirar enquanto tivesse "agarrado" ao focinho do boi, pois o buldogue Campeiro tem uma mordida de contenção e não de dilaceração.Entre outras características como o tamanho do peito ideal e a ossutura forte, o que possibilitam a ele conter um boi de pelo menos 400Kg, um cão muito baixo não consegue conter um boi .

    Talvez por que naquela época isto ser também o que buscavam os antigos, que a estrutura do nosso buldogue é tão parecida com a do antigo BI. Muitos são os e-mails de todas as partes do mundo falando e perguntando sobre a grande semelhança do BC com o antigo Bulldog. O BC  não tem nada a ver com a raça chamada  old english bulldog, como alguns leigos pensam pois esta raça sim foi feita com cruzamentos programados de raças diversas..

    Os poucos cães que ainda restavam na serra somados aos que conseguimos arrebanhar em todo o estado é que possibilitaram o resgate do Buldogue Campeiro .

    O problema é que estão confundindo, querendo criar uma ramificação que NÃO existe , pois os atuais buldogues que povoam a serra gaúcha são resultado de uma repovoação feita pelos cães saídos de nossa criação.

    Durante estes 30 anos nasceram bem MAIS de uma centena de ninhadas das quais os melhores cães separávamos e mantínhamos no canil e aqueles que deixavam a desejar no padrão(cães de segunda escolha), inclusive os filhos dos cruzamentos com inglês que ficavam muito baixos ou com focinho de inglês, tínhamos que destinar para algum lugar, conseguir uma colocação.  Com a ajuda de um grande tradicionalista o Sr. Sérgio (Gaudério) Barbosa, radialista na época, responsável pelas cavalgadas, conseguíamos colocar os cães em sítios e fazendas de cima da serra . Somos muito gratos ao Sérgio Gaudério que foi o primeiro e único parceiro que tivemos durante muitos anos.Estes cães podem ser vistos naquela fita que enviamos para diversas pessoas, com varias situações retratadas.

    Isto é um fato e não mera especulação. É só procurar as filiações que vai acabar caindo em cães que “vieram de Taquara” ou do Sérgio Gaudério. Se fosse diferente, teríamos encontrado estes cães no exaustivo Garimpo que fizemos durante todos estes anos (30 anos de andanças )

    Para Caxias mandamos vários durante estes anos, inclusive um para o Pedro Dantas, que criou uma raça através de cruzamentos, procure o link dele entre as raças gaúchas no site.

Os RI que estão aparecendo agora, depois de tanto tempo, são buldogues puros ?

     Qualquer raça que seja pura deve gerar indivíduos muito semelhantes pois herdou as suas características de seus pais que eram iguais a de seus avós e por aí afora.
Um BC puro é um cão que apresenta as características da raça e transmite estas características, as seus descendentes, certo?
Então um BC que não possui as características da raça em sua maioria e transmite as seus descendentes esta falta de tipicidade a ex:
- ossatura leve demais.
-cães muito baixos com altura inferior a 48 cm.
-cabeças muito pequenas.
- costelas pouco arqueadas.
-ante peito fino.
-pouco peso, inferior a 30 kg.
-entre muitas outras
Estes cães são ditos "puros" nas suas características, mas não puros Buldogues Campeiros. São cães degenerados pelo tempo e por cruzamentos mal programados.
Aí é que entra o trabalho de resgate, onde se deve repor características perdidas de uma raça e apurar para que daí sim sejam Buldogues Campeiros puros.
Como vocês vêem o manejo é bastate complexo. E de nada importa se no caminho foi usado o Bulldog Inglês ou o Greeyhound, pois a medida que a seleção correta vai sendo feita em tipicidade e temperamento já não temos mais um BI e sim um BC puro, pois esta no padrão da raça e transmite o que é, claro se a cadela for de igual padrão.
Todo o cuidado é pouco pois o temperametno e a saúde da raça, dependem de acasalamentos corretos , contaminações que possam vir a alterar só estas características só vem para prejudicar um nível de seleção já previlegiado e homogêneo.
Atualmente para receberem o RN (Registro de Raça Nova dado a cães adultos) todos os cães devem ter o micro-chip.
Fotografias de cães encontrados e não usados na formação da raça tal qual voces a conhecem hoje, mas com sua reprodução sob observação, para poderem vir a compor o plantel da raça, trazendo um refresco para o sangue, podem ser vistas no site na amostra do que foi Nosso Trabalho e também em seleção.
Exemplificando, seguem fotos que nos foram enviadas para receberem RI, mas para que isso aconteça e eles venham a ser um RN da raça BC presisam passar por um trabalho sério de acasalamento e seleção, e não simplemente serem inseridos na raça.

Fazer o registro de RN de cães encontrados, sem fazer primeiro um trabalho de acasalamento e observação da prole, agora, que a raça já é reconhecida e tem seu trabalho reconhecido é no mínimo regredir.

Fazer este tipo de inserção, sem trabalho de várias gerações com cães de outra raça, então é algo inadmíssível, pois raças diferentes além de diversas características tem temperamentos diferentes.

Sangue novo

Depois do BC aparecer no programa Globo Rural e na  Cães e cia, recebemos muitos contatos 

indicando a existência de cães em várias regiões. Sempre tivemos a preocupação de investigar

a fundo a proveniência destes cães por diversas razões que já foram citadas aqui.

A possibilidade de serem cães descendentes de nosso canil é uma delas visto que durante

estes anos enviamos cães para muitas cidades do RS e fora dele. Neste caso, o grande

problema seria, acasalamentos sem o controle necessário quanto a consangüinidade,

o que poderia suscitar doenças de cunho genético.

 

Informação sobre cães de outras regiões

Desde o começo sempre tivemos informações sobre cães em outras regiões, isto já esta no site. A maioria das vezes eram apenas cães bastante mestiçados que não contribuiriam em nada para o resgate, ao contrário, poderiam trazer sérios problemas e um grande atraso devido ao fato de serem apenas boxer cruzados com qualquer coisa, mas algumas pessoas chamavam de bordoga por falta de conhecimento. Mas em outras raras vezes, encontramos ótimos cães, como em Minas do Leão, que na primeira vez não encontramos nenhum cão, mas através dos contatos feitos naquela viagem conseguimos informações de um cão no interior, quem fez a gentileza de busca-lo  para nós, foi o SR. Acélio, dono de uma agropecuária na Grande Porto Alegre( Viamão}que dividiu o valor conosco e ficou com o cão após fazermos os acasalamentos..

Assim aconteceu também mais tarde em Lages para onde fizemos várias viagens, devido a colaboração da DRa. Mayra Lenzy, que fez um garimpo pelos matadouros daquela região. Em Sanandúva (região norte) encontramos apenas um e nos foi trazido de lá mais um cão, mas o mais jovem descobrimos ser filho do primeiro, o que nos limitou a usa-lo apenas em um cruzamento calculado, digamos estratégico.

Assim se sucedeu também em várias localidades, na serra e no planalto também.

Contato com cães da Região Norte do RS

Após buscas frustradas, os contatos que tivemos foi com pessoas que vieram de Passo Fundo e de Erechim para adquirir cães, o SR.Caetano e o SR. Ariel, respectivamente,  ambos disseram ter poucos cães por lá e já muito mestiçados, assim como os encontrados em outras regiões. Levaram exemplares adquiridos em nosso canil para suas cidades e depois de algum tempo (não sei exatamente quantos anos) voltaram para adquirir outros. O Sr, Caetano nos enviou inclusive uma foto do melhor cão que havia por lá e o Sr. Ariel comentou ter uma cadela preta, sendo que, na última viagem adquiriu um cão Bulldog Inglês adulto na cidade de  São Leopoldo e o levou para Erechim.

Em 2002 /2003, já depois do reconhecimento oficial da raça, tivemos contato com um Senhor que se mostrou interessado e dedicado, pois colocou vários cães em cima de um caminhão e trouxe para Taquara para conseguir a autorização para o RN. Infelizmente não tenho o nome desta pessoa. Ralf examinou os cães e deu autorização para o registro de quatro deles , porque apesar de terem o preto que não era “Nada” comum em buldogues, eles tinham sim sangue de BC, e  bem trabalhados e corrigidas suas deficiências, futuramente poderiam contribuir e serem usados na criação.

Depois tivemos vários contatos por e-mail com o Sr, Ricardo Legramanti, numa época chegaram a ser contatos diários no MSN, e também com o Sr. Ivanor Oliviecki

Bem, quanto a estas duas pessoas prefiro ao invés de comentar, postar o que foi escrito por eles e enviado para nós, com a permissão dada por eles para por no ar, em um tópico do Orkut.

E-mails enviados de Passo Fundo e Eexim para o canil Cãodomínio, mostrando comoestava a situação do BC e3m 2004 naquela região:

De: Ivanor Oliviecky    Em:27/08/2004   17:28

 

Desde o começo sempre tivemos informações sobre cães em outras regiões, isto já esta no site. A maioria das vezes eram apenas cães bastante mestiçados que não contribuiriam em nada para o resgate, ao contrário, poderiam trazer sérios problemas e um grande atraso devido ao fato de serem apenas boxer cruzados com qualquer coisa, mas algumas pessoas chamavam de bordoga por falta de conhecimento. Mas em outras raras vezes, encontramos ótimos cães, como em Minas do Leão, que na primeira vez não encontramos nenhum cão, mas através dos contatos feitos naquela viagem conseguimos informações de um cão no interior, quem fez a gentileza de busca-lo  para nós, foi o SR. Acélio, dono de uma agropecuária na Grande Porto Alegre( Viamão}que dividiu o valor conosco e ficou com o cão após fazermos os acasalamentos..

Assim aconteceu também mais tarde em Lages para onde fizemos várias viagens, devido a colaboração da DRa. Mayra Lenzy, que fez um garimpo pelos matadouros daquela região. Em Sanandúva (região norte) encontramos apenas um e nos foi trazido de lá mais um cão, mas o mais jovem descobrimos ser filho do primeiro, o que nos limitou a usa-lo apenas em um cruzamento calculado, digamos estratégico.

Assim se sucedeu também em várias localidades, na serra e no planalto também.

Estive visitando o site buldogue campeiro e gostei muito das fotos e das informações sobre a raça. Sou jornalista em Erechim/RS, e meu pai, já falceido, foi tropeiro durante muitos anos, e sempre os conhecidos bordogas como cães de trabalho. Um deles em especial, chamado Sultão, um brazino(tigrado), de porte médio, buscava sozinho reses desgarradas no meio do mato, onde os cavalos não tinham como chegar. Mais recentemente também vi um cachorro, também tigrado, de nome Dunga, com todas as características do antigo buldogue, porém morreu já em idade avançada deixando apenas alguns filhos mestiços, com poucas características. Na região norte do Estado ainda existem alguns cães semelhantes ao antigo buldogue e que são usados para lidar com o gado, conservando as características da raça nessa função, porém são heterogêneos, afetados pelos cruzamentos com fila brasileiro e boxer.
Por isso tenho interesse em saber da possibilidade de adquirir um buldogue campeiro, até para que, com um cão com essas características tão desejáveis, difundir a raça e possivelmente torná-la bastante popular, até por perceber uma busca contínua das pessoas, porém sem o conhecimento adequado, de recuperar esse patrimônio genético.
Agurado resposta
Ivanor Oliviecki

 De:  ricardo legr      para: caodom    re:  07/06/05    22:05

Olá Marcia!!

 Tenho a maior satisfação em receber um email seu. Não fui eu quem foi la no Ralf com os cães mas eu conheço quem foi, eu estou a 3 anos criando alguns bordogas, tirei a pouco uma bela ninhada, aqui na região eu tenho feito alguns eventos para reunira bordogas e tem dado resultado, mas infelizamente tenho pouco apoio aqui, tem pessoas que fala de mais e  produzem pouco. A  fiz contato o Fernando de Brasili, inclusive ele tem interresse em uma femea preta que eu tenho. Eu vou seguidamente a Porto Alegre, poderiamos marcar uma data para trocarmos algumas idéias, acho que deveriamos nos mobilizarmos para voltar termos nosso estado como já foi o berço da raça, e nada mais justo para vcs que tanto se empenharam nesse projeto de resgate da raça. Acompanho o trabalho de vcs a tempo. Gostaria que vc me desse seu numero de telefone para que eu possa entra em contato. A  feira que aonteçe aqui é em maio e em novembro chama-se Efrica. Eu tenho empresa aqui em PF, e um bom relacionamento com o poder publico facilitanto as coisas para possiveis eventos.


Um Forte abraço.    

Ricardo Legramanti.

 

Após estes contatos marcamos o terceiro encontro, entramos em contato com o SR. Ricardo para visitarmos a cidade e levarmos os criadores para verem os cães da região , com a intenção de integração e ajudar a divulgar o recente trabalho que estava começando a ser feito por lá.

Durante todos estes anos que vem se passando, temos recebido visitas de várias pessoas de

toda região norte que tem levado belos exemplares  e na maioria das vezes voltando para

adquirir mais um exemplar.

Orkut

È um local de onde podem ser encontradas ótimas comunidades, das quais participam veterinários, criadores e bons profissionais, falando sobre as doenças comuns a todas as raças , sobre a maneira correta de criar e educar os cães, entre diversos assuntos.

Entre elas indicaria:

Cinofilia Brasileira

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=1104547

 

Cinotecnia in-coelum
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=4631973

Preservo a raça

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=5806029

HOMEOPATIA VETERINÁRIA
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=1721114

 

PEA -Projeto Esperança Animal
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=132261

 

Em contrapartida, infelizmente, não há compromisso com identidade ou realidade. Uma pessoa consegue facilmente ter várias identidades (10, 100 ou mil) e escrever o que quiser sem compromisso com a verdade.

 Devido a isto, aparecem pessoas mal intencionadas, que preferem ficar criando Estórias em frente a um PC, polemizando para chamar atenção, ao invés falar de algum trabalho que tenha realmente realizado muitas vezes (na amaioria) falando do que nem conhecem, nunca viram, em comunhão com pessoas que preferem usar seu tempo de sobra anarquizando, já que não tiveram capacidade nem dedicação para construir alguma coisa palpável. Normalmente estas pessoas são afastadas das boas comunidades, ficam ali tentando atrapalhar. Acabam sendo expulsas ou fazendo com que os bons criadores se afastem. Vão abrindo comunidades usam textos copiados de outros lugares para aparentar capacidade. Vão invadindo, pro-files e e-mails alheios, tentando seduzir as pessoas como se fossem fantoches, Os Manipuladores .

 

Aviso dado por juízes e criadores renomados

Logo que o BC foi reconhecido como Raça Brasileira pela CBKC, alguns cinófilos e criadores nos alertaram daquilo que iríamos enfrentar.

 O nosso trabalho foi examinado, visto, visitado anos a fio durante todos os finais de semana ( até naqueles com chuva),  presenciado por dezenas de pessoas anualmente.

 A veracidade dos fatos é incontestável.  Atestada por documentos, pessoas e locais , e pelo resultado do trabalho, que fala por si só, 1977-2001 com  o reconhecimento da Raça.

Após todos estes anos, este trabalho povoou o Rio Grande do Sul e o Brasil com um número razoável de bons criadores, que a partir de 2000, vem criando Buldogues Campeiros  saudáveis e maravilhosos, em todos os aspectos e , como já era previsto, agora apareceram os especuladores.

Pessoas que não realizaram um trabalho por falta de dedicação ou competência; alguns maus criadores achando que uma raça esta atrapalhando “a venda da sua”; comerciantes inescrupulosos que inventam qualquer estória partindo do nada para vender filhotes, chegam a fazer surgir do nada e para o nada centenas de filhotes; misturas de todo tipo sendo oferecidos com pedigree????; estórias mirabolantes sem embasamento na realidade; criadores sem manejo......

As previsões se realizaram, essas pessoas surgiram e com o advento da internet, se encontram com facilidade.O que eles esqueceram, é que as pessoas as quais eles estão tentando atingir ou impressionar, têm discernimento, capacidade e inteligência suficientes para perceber quando e qual o tipo de pessoas forma esse grupo e sabem se afastar discretamente.

Então, senhores teremos que ter cuidados redobrados, até na conferência de documentos, para evitar que se perca tudo de bom conservado até agora no BC, principalmente o temperamento e a saúde, que em relação com outras raças, tem uma ótima proporcionalidade.

Canil Cãodominio
Fone: 51 97872038/ 51 98286612 e-mail: [email protected] e/ou msn [email protected]
Endereço: RS-239 - Km 58 N°: 3815
Copyrighted © É proibido a cópia e reprodução de qualquer material contido no site.
Designed By Bardo